Uma vila onde o dia começa às 11 horas da manhã e não tem hora pra acabar. Recheada de musicalidade ao ritmo do forró pé de serra e muita cultura popular, a pequenina Itaúnas segue conquistando turistas que buscam lugares tranquilos e próximos da natureza, e em alguns casos dentro dela.

Localizada no norte do Estado do Espírito Santo (Brasil) e por um curto caminho de terra encontramos a vila de Itaúnas, um povoado de pescadores que desde o final dos anos 1980 foi descoberto como centro de turismo alternativo e de alta qualidade. Entre o mar e o povoado, somente o rio Itaúnas e as dunas gigantes que tempos atrás cobriram o velho povoado, obrigando os que lá viviam a seguir para o outro lado do rio.

História

A história não se compara a cidade de Paraty, no sul do litoral do Rio de Janeiro. Mas, no passado, Itaúnas fez parte de um importante movimento econômico da região, forte em produção de cana de açúcar e extração de ouro. Posteriormente, Itaúnas passou a conviver com a extração da madeira e recentemente sua paisagem começou a conviver com a extração do petróleo, a partir de algumas bases da Petrobras. Porém, suas maiores riquezas estão perto do mar, na vila que rece seu nome, ainda que pertence à cidade de Conceição da Barra.

No passado, a cidade de Conceição da Barra se comunicava com a vila de pescadores através de um pequeno trem a vapor, usado para trazer a produção agrícola e o ouro extraído daquelas terras. Com o tempo, a vila desapareceu debaixo da areia das dunas, e com ela os trilhos da locomotiva. Então uma nova vila foi construída do outro lado do rio, onde hoje está situada a cidadezinha.

Riquezas

A maior riqueza da vila é o mar. Do outro lado do rio, e de uma gigante duna, chegamos à praia, que oferece natureza, tranquilidade e uma água com temperatura quente, comum no nordeste do Brasil. Depois de uma caminhada duna acima e abaixo (em Itaúnas, tudo que sobe, desce), pisando sobre uma areia escaldante por uma trilha que oferece pontes de madeira sobre a vegetação predominante nas áreas protegidas, chega-se a restaurantes de frente pro mar, com poucos recursos, mas com uma vista e um ambiente incomparáveis. Em suas mesas, são servidos pescados frescos e camarões pescados pelos moradores do vilarejo. Junto a tantos sabores, uma cerveja gelada é perfeita pra escutar o mar visitando a praia.

Ao regressar à vila, uma dica é visitar as tartarugas do Projeto TAMAR, responsável pela proteção das espécies durante a desova na praia de Itaúnas e o caminho dos filhotes para o mar. O Projeto TAMAR conseguiu aumentar em até 11.000% a população de algumas espécies de tartarugas no litoral brasileiro desde a década de 1980, quando começou a conscientizar os pescadores sobre a proteção dessas espécies.

Itaúnas cultural

A cultura não desapareceu debaixo das dunas, e ganhou força com a chegada do turismo. Entre ateliês de estrangeiros dedicados ao artesanato de prata e ouro ou artes plásticas regados a cafés sofisticados, encontramos bares simples onde a música que se escuta é a tradicional de Itaúnas, que sai da zabumba, da sanfona e do triângulo: o forró pé de serra. Muitos turistas seguem a Itaúnas somente para dançar um forrozinho no chão batido do tradicional bar Buraco do Tatu.

Teaser do documentário “Um lugar chamado Itaúnas“.

Quando chega a noite, entre um café e vários bares, a sugestão é buscar restaurantes de comidas típicas preparadas pelos próprios pescadores. Podemos experimentar o que há de melhor, desde a moqueca capixaba ao bobó de camarão, típico também nessa região (vizinha ao litoral baiano). Mas, para quem quer um sabor tradicional, a dica é comer pizzas de excelente qualidade pelos chefs que lá chegaram fugindo da loucura de São Paulo e Belo Horizonte. Na bagagem, levaram o requinte e os sabores com os quais estavam acostumados. À noite (ou começando), uma boa é conhecer o forró pé de serra em um dos bares da cidade. Pelas areias de Itaúnas passaram diversos grupos, como o Trio Virgulino, conhecido internacionalmente, entre outros.

Itaúnas fica entre dois belos locais para um bom passeio sobre a natureza: Riacho Doce e Costa Dourada. São lugares com acesso por um caminho de terra. Sugiro que percorra o caminho por motocicleta, carro, bicicleta ou caminhando (ainda que seja distante). Pode-se passar o dia de frente para o mar, com toda a tranquilidade que a vida merece.

Passeios fundamentais: 

Ainda que sejam poucos os passeios, os que existem são perfeitamente suficientes para uma semana em Itaúnas. Quando um lugar como esse é escolhido o que menos queremos é uma agenda de compromissos. Seguem algumas dicas.

Praia

Existe somente uma praia em quase toda a costa norte do Espírito Santo. As divisões são feitas pelos rios que acabam no mar. Um deles é o rio Doce, que foi inundado pelas lamas da Samarco, na mineira Mariana. O grande rio desemboca na cidade de Linhares, cerca de 100 quilômetros ao sul de Conceição de Barra. Porém, cada espaço recebe seu nome e a de Itaúnas chama-se praia de Itaúnas. A geografia e a paisagem também mudam, mas a natureza e a paz segue a mesma em toda a costa.

itaúnas
Foto: Divulgação.

Praia de Itaúnas é um passeio inesquecível.

Riacho Doce

Ir ao Riacho Doce é um passeio fundamental no extremo da costa norte do Espírito Santo. O trajeto não é bom, mas é possível percorrer com tranquilidade de carro. Por isso, tenha cuidado para não ficar preso em alguma areia no caminho. É possível comer peixes frescos preparados pelos pescadores da região, ou tomar uma água de coco cultivado na própria praia.

Vila de Itaúnas

As opções da Vila de Itaúnas são diversas, cada uma melhor que a outra. O que recomendar? Caminhadas, dispostas a descobrir cada dia uma coisa nova para se fazer depois de um dia de praia e sol. Melhor: antes de um forró pé de serra.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here